domingo, 30 de março de 2014

Elomar Figueira Mello - Discografia


Tio Moa Recomenda – Nada de luau: leve a gata prá ouvir Elomar na tua casa. Eu sei que você deve estar pensando que é loucura. “Ih, como é que eu vou chegar prá gata e convidar prá ouvir Elomar. ELOMAR? O que é isso vélho..?”. Olha, só peço que confie. Você não tem nada a perder, não está pegando ninguém mesmo... Estou apenas cumprindo a declaração de intenções publicada anteriormente. (fazer a Scarlet Johanson te olhar daquele jeito). Depois, o resto é contigo (eu só sei até aí...).


Elomar compõe e canta o sertão. Calma, não é aquele “ser - tão chato” que os covers de cowboy americano colocam estourando no som do carro, com as portas abertas (antes era só no interior de SP, MG e Goiás, mas há anos a praga se espalhou e é capaz de, em plena praia de Ipanema, que já ouviu coisas bem melhores, alguém parar o carro, abrir as portas e colocar aquilo para o mundo ouvir).

Voltando: Elomar Figueira Mello, baiano de Vitória da Conquista, estudou arquitetura na cidade grande, mas voltou-se à cultura de seu povo e tornou-se cantador, tocador de viola e trovador. Vive na roça criando bode, fazendo cercas, compondo e escrevendo. Elomar tornou-se historiador de seu povo e sua crença. Passou a cantar a caatinga e o sertanejo. Também já compôs músicas clássicas (várias óperas!) e tocou com a sinfônica de Moscou. Não é fraco não o malungo!

Seu violão é muito bom de ouvir. Bom demais. Milhões de vezes melhor do que aqueles violõezinhos chinfrins que você ouve num luau. Pense bem: prá que luau se você mesmo, eu sei, não gosta? Você vai só prá tentar pegar alguma gata, mas me conta, quantas vezes conseguiu pegar alguém num luau? Você vai lá, vê a menina que você está a fim se derreter pelos carinhas que tocam, não fica com ninguém e ainda tem que ouvir aquelas músicas chatinhas que todo mundo canta junto, com aquele sorrisinho besta na cara. O pior é que você tem que fingir que está gostando, até balança teu seu corpo prá lá e prá cá, mesmo sabendo que está ridículo. Até cantarola junto! Todo esse sacrifício para não ficar com ninguém!

No lugar disso, convida ela prá ouvir Elomar. "Elomar?", ela vai perguntar. Responda: "Você vai mudar o seu conceito de música depois que ouvir, é de uma beleza e de uma sensibilidade como você nunca viu". Pronto, falou em beleza e sensibilidade: você se colocou acima daqueles chatinhos do luau. Por isso e pela curiosidade ela concorda e vai ã sua casa, é certo.

Bom, mas é bom que antes disso você conheça um pouco do Elomar, é claro. Nada tema, com Tio Moa não há problema. Então vamos ao que você deve saber de início: a música do Elomar te leva, numa viagem calma, prá outro lugar, baby, onde a você pode sentir cheiro de assa-peixe (uma arvorezinha do mato que solta um cheirinho delicioso).

Esqueça aquela música dita sertaneja que você não suporta mais. Saiba que é possível cantar o sertão sem aquela insuportável voz de taquara rachada e, melhor que tudo, sem tremer a voz no final de cada frase como se sofresse de Parkinson!

Esqueça aquelas músicas, todas com a mesma melodia, sempre te dando a impressão de que no refrão vão cantar “daquele momento até hoje esperei você...”. Esqueça aquelas duplas (só tem duplas... deve ser proibido por lei cantar aquilo sozinho) que além de cantarem as mesmas melodias, cantam a mesma letra, só trocam as palavras. Esqueçam coisas como “Já não sei o que fazer - Outro amor não sei querer - Preciso tanto te esquecer” , ou “Eu não sei pq que eu fui te amar assim - Te dei meu sonho e você não me deu...”. Uau, não deu o quê? Aquilo? Chama a Cleycianne!!!

Esqueça tudo isso e conheça Elomar, que canta do jeito que realmente se fala lá dentro do Brasil, que não é o país das bundas e do futebol (adoro as duas coisas, mas tem muito mais do que isso no Brasil-zil-zil). Vou dar um exemplo e mostrar a letra de uma das músicas mais tristes e melancólicas que já ouvi, e mais lindas, também. Mas antes saiba que:

Ritirante: (de retirar-se – retirante) povo que sai de uma região por causa da seca ou pobreza, em busca de uma vida melhor, menos sofrida.
Incelença: forma de expressão musical típica do nordeste, usada para facilitar a morte dos agonizantes, de modo minimizar seu sofrimento.
Inhambado: mal sucedido, lascado.
Derna: desde.


Incelença pro Amor Ritirante
Vem amiga visitar/ A terra, o lugar/ Que você abandonou
Inda ouço murmurar/ “Nunca vou te deixar /Por Deus nosso Senhor”
Pena cumpanheira agora/ Que você foi embora/ A vida fulorô
 Ouço em toda noite escura/ Como eu a sua procura/ Um grilo a cantar
Lá no fundo do terreiro/ Um grilo violeiro/ Inhambado a procurar
Mas já pela madrugada/ Ouço o canto da amada/ Do grilo cantador
Geme os rebanhos na aurora/ Mugindo cadê a senhora/ Que nunca mais voltou
Ao Sinhô peço clemência/ Num canto de incelença/ Pro amor que retirou.

Faz um ano in janeiro/ Que aqui pousou um tropeiro/ O cujo prometeu
De na derradeira lua/ Trazer notícia sua/ Se vive ou se morreu/
Derna aquela madrugada/ Tenho os olhos na istrada/ E a tropa não voltou


Veja o que é ver a vida com poesia: queixar-se de que até a mulher do grilo todo lascado aparece, mas a dele não. Ao dizer que ouve no mugido do rebanho a pergunta “cadê a senhora...?”, o autor, genial, transfere a emoção da saudade do caboclo para os animais, aumentando ainda mais a grandeza de seu sentimento pela mulher que tomou chá de sumiço. O que dizer então da dor de não tirar mais os olhos da “istrada”, esperando já nem mais pela mulher, mas por notícias dela? Assim é a boa poesia: profunda, doída, cheia de imagens, delicada, sutil e sobretudo bela. Comente isso com a menina.

Elomar talvez seja o exemplo mais representativo da beleza da poética musical do sertão do Brasil, o Brasil que a gente não vê, não conhece, mas que tanto influenciou a nossa cultura. Essa música está no disco “Das Barrancas do Rio Gavião” e em outros de Elomar. O disco tem outras preciosidades, dentre elas “O Violêro”, que fala sobre a felicidade e a opção pela vida simples. Hoje falar disso dá um montão de dinheiro pros autores de livros de auto-ajuda (daí o nome auto-ajuda: ajuda quem escreve!), mas se tiver que gastar meu rico dinheirinho, prefiro ouvir Elomar dizer isto:

Si eu tivesse di vivê obrigado/ um dia inhantes dêsse dia eu morro...
Apois pro cantadô i violero/ só hai treis coisa nesse mundo vão
amô, furria, viola, nunca dinhêro/ viola, furria, amô, dinhêro não

Elomar não é só um grande letrista, não. Suas melodias também são lindas e ele canta/interpreta muito. Enfim, Elomar sabe que cobra parada não engole sapo. Tanto sabe que tem até um site, digo, porteira oficial (http://www.elomar.com.br/). Entra lá e peça lá uns discos. Sugiro, além do que falei, o “Na Quadrada das Águas Perdidas”, de 1978, um disco maravilhoso (o vinil é duplo - eu tenho um velho e um novinho, que garimpei recentemente num sebo e pelo qual paguei um preço bem salgado: nada mais justo) e “Elomar em Concerto” (1989), que tem uma versão fantástica da "Incelença...".


Se antes de comprar, quiser ouvir, procure em blogs e baixe. Ou passe lá em casa que a gente faz um sarau, digo, furria! Pode trazer a gata, ela vai adorar - depois me paga um vinho!
  

Discografia >>> Download

[1968] 1° Compacto
[1972] Das Barrancas do Rio Gavião
[1978] Nas Quadradas das Águas Perdidas
[1980] Parcelada Malunga
[1981] Fantasia Leiga para um Rio Seco
[1982] ConSertão
[1983] Cartas Catingueiras
[1983] Auto da Catingueira
[1984] Cantoria 1
[1984] Cantoria 2
[1985] Sertania
[1986] Dos Confins do Sertão
[1988] Concerto Sertanez
[1989] Elomar em Concerto
[1992] Árias Sertânicas
[1995] Cantoria 3



36 comentários:

  1. Disponha Luiz, agradeço a visita!

    ResponderExcluir
  2. Há muito tempo procurava por Elomar na NET; Obrigado "VIOLEIRO DO SERTÃO"

    ResponderExcluir
  3. Baixei "na quadrada das águas perdidas". Eu o ouvi muito no formato LP e agora preciso dele para uma aula que vou dar sobre cultura popular. Quero te agradecer pela disponibilização e pelo trabalho geral.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela visita Ricardo, que bom ter contribuído para um trabalho tão nobre.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo blog,muito obrigado,Elomar é um gênio do sertão.

    ResponderExcluir
  6. Raimundo Neto4/3/15 19:46

    Caro Violeiro do Sertão,

    Parabéns e obrigado por disponibilizar as canções do mestre-menestrel-violeiro-cantador Elomar Figuera.

    Estava a procurar por esta no mundo da internet e deparei-me nesta sua página. Não posso deixar de agradecer por compartilhar conosco desta relíquia.

    Cordialmente,
    Raimundo Neto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também agradeço a visita, Raimundo. Fique a vontade para compartilhar o nosso conteúdo, bem-vindo à Quadrada.

      Excluir
  7. Muito obrigado! Tenho vários desses originais, mas não consegui completar a coleção ainda... Grande gênio Elomar!

    Obrigado mesmo, Violeiro!!!

    ResponderExcluir
  8. Muito bom esse teu blog!...Tenho uma página com 11 mil seguidores no face, vou divulgar esse blog por lá em breve. Parabéns pelo trabalho, abs.

    ResponderExcluir
  9. Josafá Ferraz7/9/15 22:36

    Esse blog é uma verdadeira preciosidade. Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  10. No brilhante trabalho da Música
    Sertaneja Clássica "Na Quadrada das Águas Perdidas" do genial Elomar, acompanha um Glossário, caso os senhores o possua, gostaria de saber se é possível me enviar através do meu e-mail wltms50@outlook.com. Muito obrigado!

    ResponderExcluir
  11. Isabel de Sá16/10/15 02:36

    Gente... como eu não conheci esse blog antes...
    Excelente trabalho. Parabéns!

    ResponderExcluir
  12. Grande Elomar, tive a honra de conhecer, produzir shows em São Paulo.


    Tenho vinis dele autografado, isso é o meu tesouro!

    A cultura brasileira é mais rica com este violeiro erudito do sertão.
    Um imenso abraço ao Elomar!

    ResponderExcluir
  13. Cada vez que eu descubro uma pérola da Música brasileira fico puto da vida: "Por que Elomar não chegou até mim antes?" Por que ninguém gritou: "Como vc não conhece o Elomar?" ... O texto de introdução está ótimo, Você quem escreveu? Eu sou o cara que toca violão no luau.. e as gatinhas nem ficam tão se derretendo não. Ninguém pega ninguém.. deve ser porque toco só música que desconhecida e boa... vou tirar uns Elomar também!!! Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve, Luiz! Prazer em tê-lo por aqui. O texto da postagem foi escrito pelo Moacir Valle, que escreve para outro blog: Cobra Parada Não Engole Sapo. Recomendo a leitura. No final da postagem em "fonte" você encontra o link que direciona para a página. Abraços.

      Excluir
  14. lual de verdade seria numa fazenda aos pes duma fogueira, assando milho na brasa, naquele friozinho enrolada numa manta sob o ceu estrelado ouvindo elomar, xangai,o dia iria amanhecer e aquele cheirinho de orvalho... este site e realmente maravilhoso

    ResponderExcluir
  15. Muito obrigado! Elomar é música pra alma. Se possível, poderia dar uma olhada no link de Cantoria 1 ? Acho que está quebrado. Enfim, muito obrigado novamente.

    ResponderExcluir
  16. alguém tem notícia mais recente do querido Elomar, mais algum trabalho ele gravou, tem alguma novidade por ser lançada, alguém sabe ????

    ResponderExcluir
  17. alguém tem notícia mais recente do querido Elomar, mais algum trabalho ele gravou, tem alguma novidade por ser lançada, alguém sabe ????

    ResponderExcluir
  18. Quantas saudades das músicas do grande menestrel do sertão, Elomar. Em casa tenho os discos Cantoria I e II que foram do meu pai. Ouvi Muito na minha infância graças ao meu pai. E agora sou fã desse maravilhoso blog que nos presenteia com estas pérolas do nosso cancioneiro. Um abraço!!!

    ResponderExcluir
  19. Fantastico. De certa forma saí da caverna da ignorancia musical, conhecendo Elomar, e este blog me pegou pela mão. Muitíssimo obrigado

    ResponderExcluir
  20. Este canto de um quadrado que canta, tem sido um baú dos tesouros, muito obrigado!!

    ResponderExcluir
  21. Anônimo1/8/16 00:19

    Há muito que gostaria de encontrar partituras para flauta transversa de Elomar, uma em especial "Campo Branco", pergunto onde posso encontrar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prieira música de Elomar que conheci. Linda. A letra foi usada na faculdade para demonstrar as variações da nossa língua. LINDA ! ! !

      Excluir
    2. Prieira música de Elomar que conheci. Linda. A letra foi usada na faculdade para demonstrar as variações da nossa língua. LINDA ! ! !

      Excluir
  22. "leve a gata prá ouvir Elomar na tua casa . . . " Por que você acha que somente os homens conhecem ou gostam das canções de Elomar ?

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Muito Obrigado!! parabéns por disseminar essa coisa linda que é a música de Elomar!

    ResponderExcluir
  25. Rose Araujo19/12/16 21:13

    Muito bom! Essa simplicidade que transmite uma inteligencia sem par!

    ResponderExcluir
  26. que pena que fui saber desse site agora , tio moa vc é o cara kkkk
    muito bom a sua compreensão de elomar

    ResponderExcluir
  27. Que texto maravilhoso! E obrigado pela discografia!

    ResponderExcluir